Tags

, , , , ,

Notícias recentes dão conta de que a inflação voltou. A Presidência, preocupada com o fato, até recorreu à compreensão dos empresários, pedindo que não aumentassem os preços de seus produtos a fim de manter o dragão da inflação desacordado. Esta situação se utiliza de uma metáfora sobre a qual cabe debate. Afirmar que a inflação é um dragão foi uma imagem não só comum nas décadas de 80 e 90 no Brasil; ela fazia sentido: representava um animal incontrolável, cujas atitudes não eram passíveis de compreensão ou mesmo de nossa interferência. O dragão agia conforme suas vontades e colocava medo na população. Será que esta metáfora hoje ainda faz sentido?

Uma inflação incompreensível e indomável como a que afirmávamos possuir se baseava ao menos parcialmente nas dificuldades teóricas em se compreender as causas da inflação brasileira. As interpretações tradicionais de inflação de custo ou de demanda, por exemplo, não pareciam ser suficientes para explicar o fenômeno. A ideia de inflação inercial parecia refletir melhor a natureza do processo, mas ainda precisava ser melhor desenvolvida. Ainda assim, estando esta interpretação correta, havia um aspecto estrutural na economia brasileira que provocava níveis cada vez mais elevados de preços o que fazia o processo se assemelhar a algo com vontade própria: um animal mitológico como um dragão representava bem o fenômeno.

Desta forma, a reutilização desta imagem em um país ainda traumatizado pela acentuada perda no poder de compra de sua moeda retoma uma questão importante: há ainda algo de estrutural na economia brasileira que possa fazer ressurgir a inflação? Podemos acordar um animal que julgávamos tê-lo matado?

Se a resposta for sim às questões acima, há duas considerações a se fazer: a primeira recai sobre a verdadeira capacidade do Plano Real em de fato ter liquidado com as causas da inflação. Qual seria da fato a causa do sucesso do plano? Ou ainda, como o Plano Real teria conseguido manter a inflação em níveis mais baixos, sem alterar suas causas estruturais? Ainda mais profunda, qual teria sido realmente o sucesso obtido por ele? A segunda consideração tem que ver com o pedido da presidência aos empresários. Se a causa for mesmo estrutural, as solicitações terão os mesmos efeitos dos congelamentos de preços e da atuação dos antigos fiscais do Sarney: podem no máximo servir para que alguém consiga seus quinze minutos de fama, mas nada além disso.

Anúncios