A Prefeitura de São Paulo implantou um projeto piloto de entrega noturna na cidade em outubro, com o objetivo de retirar os grandes veículos que circulam na cidade em horário comercial. A operação abrange o horário das 21h – 5h, e envolve órgãos como a Polícia Militar, a CET, o Psiu (Programa de Silêncio Urbano) e as subprefeituras da cidade. O foco desse modelo são os home centers, supermercados e shoppings, e o projeto piloto contou com a atuação voluntária de 18 companhias. O teste está sendo feito na Zona Oeste, no quadrilátero entre Marginal Tietê, Av Pacaembu, Av Pompéia e Av Dr Arnaldo. A região escolhida para os testes tem (i) restrições de tráfego para entregas diurnas e (ii) empresas de grande porte instaladas.

Mapa_Entrega Noturna

A entrega noturna poderá melhorar a mobilidade da cidade, colocando o sistema viário em utilização em um horário que normalmente fica ocioso. De acordo com a Secretaria Municipal de Transportes, 76 mil caminhões circulam por dia no centro expandido, enquanto 80% do espaço das ruas e avenidas no mini-anel viário fica ocioso durante a madrugada.

Esse modelo de entrega noturna já é usado em outras partes do mundo, como Nova York, e apresentou ganhos de eficiência e produtividade, além de redução de poluição. E o maior benefício é a redução do trânsito em horário comercial. Além disso, o modelo traz ganhos operacionais ao comércio, com a redução de tempo e custo de com o deslocamento das entregas.

Por outro lado os comerciantes também arcam com a deseconomia do pagamento de adicionais noturnos, além dos prejuízos que podem ser provocados pela falta de segurança para a entrega das mercadorias. E a grande preocupação para o sucesso do projeto piloto é o barulho que pode incomodar os moradores da região.

Em dezembro um segundo projeto piloto será implantado em um perímetro maior; e em fevereiro haverá uma nova rodada, que contará com a participação de mais 11 empresas. Esse período de testes auxiliará na criação de um novo modelo para a circulação de cargas pela cidade, e a proposta final será apresentada após análise feita com os participantes. Durante o processo serão avaliados:

  1. Fluidez do tráfego
  2. Emissão de poluentes
  3. Produtividade das entregas
  4. Ruído
  5. Segurança

Os impactos para a comunidade serão avaliados através de audiências públicas que visam medir os efeitos e fazer correções ao longo do projeto. Essas alterações, eventualmente, poderão se expandir para a cidade toda. Vale a pena acompanhar as discussões.

Anúncios