Tags

, , , ,

Este comentário será bem curto. Fiquei estupefato com a capacidade dos comentaristas econômicos da imprensa em usar a ciência econômica de forma tão seletiva.

Ligo a TV e está lá Miriam Leitão comentando a novidade da semana: a inflação ficou abaixo da meta de inflação. Tal feito rendeu a Ilan Goldfajn o prêmio de melhor banqueiro central do mundo em 2017. Com isso, o Banco Central deve explicar por que o indicador ficou abaixo do piso da banda de tolerância do regime de metas de inflação (este aparente “absurdo” fica para outro post!).

A jornalista explica que, segundo o Bacen, a causa foi a queda dos preços dos alimentos que, de fato, foi vertiginosa (como se vê no gráfico abaixo, em que pego um grupo até maior que alimentos para evitar algum viés).

Captura de tela 2018-01-11 12.12.23.png

Gráfico 1 – Inflação acumulada em 12 meses – IPCA cheio vs. IPCA Bens não duráveis

É comum decompor o índice em grupos e encontrar o “responsável” pelo comportamento do índice geral. Até aí, tudo bem.

Chico Pinheiro então sugere a Miriam Leitão – com a convicção de quem acompanha o noticiário por dever de ofício -, que além dos preços dos alimentos, a elevada e persistente taxa de desemprego também ajuda a explicar esta inflação baixa. Ao que a jornalista responde mais ou menos assim, aparentando estar um tanto desconfortável:

Não, isto não é relevante, pois o Brasil já teve períodos de recessão com elevada inflação.

Chico Pinheiro percebe o climão e nitidamente não fica convencido com a resposta. Afinal, já ter vivido estagflação não implica a irrelevância da taxa de desemprego para explicar a inflação. Aliás, a curva de Phillips (relação inversa entre desemprego e taxa de inflação) é parte integrante de todo o corpo teórico que embasa o regime de metas de inflação.

Pra tirar a teima, plotei o gráfico da taxa de desocupação da PNAD com o IPCA acumulado em 12 meses e, sem surpresa nenhuma, eis o resultado abaixo:

Captura de tela 2018-01-11 12.11.25.png

Gráfico 2 – Inflação acumulada em 12 meses – IPCA cheio vs. Taxa de Desocupação (PNAD)

Apenas de forma ilustrativa (sem qualquer rigor econométrico), montei com os dados do gráfico acima o que seria uma Curva de Phillips para o Brasil. Defasei o efeito do emprego sobre a inflação em 6 meses, uma estimativa conservadora do elevado grau de inércia acumulada com o choque de preços de 2015. O resultado foi o seguinte:

Captura de tela 2018-01-11 12.48.19

O gráfico acima relaciona o desemprego (eixo x) com a inflação (eixo y). Nele percebe-se a relação negativa entre as duas variáveis, dada pela linha preta. Outra leitura possível do mesmo diagrama é a trajetória da dita relação, que vai do triângulo laranja (início da série) até o quadrado vermelho (final da série).

Note a redução do desemprego com elevação da inflação, seguida pelo choque de preços administrados em 2015 (período em que se inicia a estagflação de 2015-2016). Como esperado, a partir de 2016, com a elevação persistente do desemprego, a inflação começa a ceder, com uma ligeira retomada recente do dinamismo da atividade ao final.

Portanto, não se pode negar a importância do preço dos alimentos, mas desconsiderar totalmente o brutal custo social envolvido em controlar a inflação (13 milhões de desempregados) é flertar com o pensamento mágico que tanto se critica (muitas vezes, injustamente) nos economistas que diferem da ortodoxia.